Publicidade
Repórter News - www.reporternews.com.br
Opinião
Quinta - 17 de Outubro de 2019 às 08:10
Por: Renato Gomes Nery

    Imprimir


A movimentação política, com vistas à sucessão municipal do ano que vem em Cuiabá, começou. Os partidos políticos mais tradicionais testam prestígio ao mencionar este ou aquele nome do seu staff como candidato à sucessão municipal. Enfim, lutam para tudo ficar como antes no Quartel de Abrantes. Antigos aliados se confrontam, com a seguinte perspectiva: agora sou eu. Eu te ajudei a encilhar e a montar o cavalo e agora é a minha vez.

Tudo para os mesmos. Os príncipes se digladiam: vamos mudar para ficar tudo como está! Afinal o reino é nosso. Exige-se apenas um pouco habilidade para dividir e butim e continuamos como sempre: mandando.

Este é o cenário que se descortina a nossa frente. Cogitam-se, lançam-se nomes e mais nomes para sentir o pulso da aceitação. O componente familiar ajuda em muito na política: por que não a minha mulher ou o meu filho que certamente manterá a nossa dinastia? Coligações são pensadas. Reeleição é testada, mas o objetivo é mesmo: temos que viabilizar a nossa manutenção no poder. Nada de novo, pois o novo pode nos desapear do poder como já fez no passado e tivemos que penar para voltar.

Oposição e o novo por aqui somente se fez presente por descuido ou erro de estratégia. Não podemos errar. Nesse “pari gato” tudo é um jogo de cena, afinal política é um circo, onde temos que encontrar o melhor palhaço para manter o nosso eleitorado cativo.

Não creio que esteja enganado na análise acima! Basta um pouquinho de senso crítico para desanimar com os destinos da nossa cidade, onde o IPTU é calculado acima do valor do imóvel. Eu, por exemplo, se encontrar o preço da avaliação da Prefeitura do meu apartamento, vendo na hora! Enfim, tira-se e couro e salga o lombo do contribuinte desta cidade de tantos transtornos e obras inacabadas.

As disputas intestinas da classe política arcaica e envelhecida passa ao largo dos problemas da cidade. A impotência do contribuinte é desanimadora. Afinal até quando vamos manter o coxo destes mesmos, insensíveis, impiedosos e insistentes batedores?

O novo é uma aspiração e um fogo fátuo que acende e apaga quando chegamos próximos. Não podemos perder a esperança, pois esta que nos livra do infortúnio e do fracasso. Até quando?

Termino este artigo entediado, com a afirmação de um trecho da canção – Como Nossos Pais, da lavra do genial compositor Belchior, imortalizada pela batuta da voz da nossa maior interprete - Elis Regina -´

Nossos ídolos ainda são os mesmos

E as aparências

Não enganam não

Você diz que depois deles

Não apareceu mais ninguém

Você pode até dizer

Que eu 'tô por fora

Ou então que eu 'tô inventando

Mas é você que ama o passado

E que não vê

É você que ama o passado

E que não vê

Que o novo sempre vem

Renato Gomes Nery. E-mail – rgnery@terra.com.br



Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://www.reporternews.com.br/artigo/2762/visualizar/