Publicidade
Repórter News - www.reporternews.com.br
Opinião
Quinta - 17 de Outubro de 2019 às 08:13
Por: Jose Rizzotto Neto

    Imprimir


Outubro é o mês dedicado à conscientização sobre a saúde da mulher, em especial à prevenção e ao tratamento do câncer de mama. Chamada de Outubro Rosa, a campanha busca chamar a atenção das mulheres, e dos homens, para a realização periódica de exames preventivos e do autoexame das mamas.

O que ainda pouco se fala é sobre a saúde emocional e mental das mulheres diagnosticadas com câncer de mama. Medo, angústia, incertezas e solidão são alguns dos sentimentos recorrentes nas mulheres que recebem o diagnóstico da doença e nem sempre o suporte psicológico é oferecido nos centros de tratamento.

Ou, em meio a tantas dúvidas, médicos e medicamentos, a saúde mental é deixada de lado.

Neste contexto, psicologia se torna uma ferramenta importante para auxiliar no processo desde o diagnóstico até a cura. Além do suporte para superar os temores que a doença traz, também tem resultados positivos para o tratamento.

Outubro é o mês dedicado à conscientização sobre a saúde da mulher, em especial à prevenção e ao tratamento do câncer de mama

Pesquisas apontam que pacientes diagnosticados com câncer com baixa autoestima, que se entregam ao pessimismo ou mesmo desenvolvem um quadro depressivo respondem de maneira negativa ao tratamento.

Ainda que centros para tratamentos de câncer ofereçam uma rede multidisciplinar de profissionais em seus quadros, incluindo psicólogos, a busca pela psicoterapia além daquelas oferecida nos clínicas oncológicas podem ajudar na ressignificação de outras áreas da vida.

O câncer de mama quando diagnosticado em suas fases iniciais tem grandes chances de cura (pesquisas apontam 95% de chance de cura), mas ainda assim impactam a vida de uma pessoa, possibilitando um novo olhar sobre as escolhas e os caminhos trilhados até aquele momento.

E não são somente as mulheres em tratamento que podem recorrer à psicoterapia, os familiares também podem buscar a psicologia, pois é necessário compreender a importância do papel familiar durante o tratamento e estar preparado emocionalmente para o processo garante a possibilidade de criar um ambiente de amparo e acolhimento a quem passa pelo tratamento oncológico.

Uma rede de apoio familiar se mostra de extrema importância para a capacidade de enfrentamento do doente.

Seja como psicoterapia individual ou em grupo, é necessário um espaço onde se possa verbalizar as angústias e assim compreender a razão de nossos temores, transformando-os em aprendizado para o fortalecimento, dando capacidade de enfrentar essa etapa da vida

Atualmente existem técnicas e abordagens psicológicas diferentes que podem se adequar a situações e pessoas diferentes, inclusive na rede pública de saúde ou em hospitais filantrópicos.

Busque informações sobre os serviços psicoterapêuticos disponíveis nos locais onde realizará exames, com seu médico ou nos grupos de apoio, isso pode fazer toda a diferença mesmo antes de qualquer resultado.

Jose Rizzotto Neto é psicólogo clínico em Cuiabá.



Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://www.reporternews.com.br/artigo/2763/visualizar/