Publicidade
Repórter News - www.reporternews.com.br
Internacional
Segunda - 16 de Setembro de 2013 às 18:28

    Imprimir


O ambiente desafiador, com alto custo da matéria-prima e pouca oferta de gado, no segmento da pecuária nos Estados Unidos deve continuar nos próximos dois anos, enquanto no Brasil o ciclo continuará favorável. A conclusão é da agência norte-americana de classificação de risco, Moody"s Investor Service, no relatório "Setor de carne bovina nos EUA enfrenta queda acentuada, enquanto o Brasil está no auge" (US Beef Industry Is Facing Deepening Slump as Brazil Peaks, em inglês).


 
– No momento, as processadoras de carne norte-americanas enfrentam desafios decorrentes dos altos preços do gado, menores volumes e volatilidade nos preços de suas principais matérias-primas – afirmou o vice-presidente de crédito sênior, Brian Weddington, no documento. 


 
Consequentemente, o especialista aguarda que o desempenho das receitas dessas empresas em 2013 e 2014 seja o pior em 10 anos. Segundo ele, essas mesmas indústrias continuam relutantes em enfrentar os altos custos envolvidos na interrupção temporária de fábricas para redução de capacidade, e há pouco espaço para aumento de preços da carne bovina sem que a demanda seja prejudicada.


 
Ao mesmo tempo, a Moody"s vê que a indústria brasileira de carne bovina está se beneficiando com uma boa oferta de gado – exceto em período de entressafra –, a qual manteve os preços baixos e fez com que seus lucros das processadoras subissem. No entanto, há sinais de que as condições favoráveis podem ter chegado ao ponto máximo.


 
– Embora as processadoras brasileiras devam continuar lucrativas, suas margens Ebitda podem se deteriorar no próximo ano, em parte em função dos custos mais altos relacionados à recente expansão de capacidade e também da expectativa de que os preços do gado não devem manter tendência de queda – acrescentou a diretora (Associate Managing Director, em inglês), Marianna Waltz, também no relatório.


 
Ainda segundo a agência, os criadores de gado brasileiros desfrutam de vantagens competitivas estruturais em relação aos produtores norte-americanos. Eles citam que a predominância da criação dos animais a pasto, que junto com a abundante oferta de terras disponíveis se traduz em custos mais baixos e menos voláteis, dando suporte à estabilidade da produção. 


 
Já nos Estados Unidos, praticamente todo o rebanho é engordado em confinamento, o que acarreta em custos mais caros e voláteis, por conta da alimentação à base de milho e soja, além de enfrentar custos mais elevados com terras, o que contribui para uma menor estabilidade na oferta de gado.


 
Empresas


 
Para a Moody"s, as empresas que se dedicam ao setor brasileiro de carne bovina, como a Minerva Foods, são as que mais vem se beneficiando do atual ambiente favorável, mas também são aquelas que podem ser prejudicadas quando o ciclo se reverter.


 
Na visão da agência, as empresas de proteína animal mais diversificadas, como a JBS e a Tyson Foods, Inc., provavelmente "continuarão vendo o lucro declinar em suas operações no setor de carne bovina norte-americano, mas essa situação será compensada pela receita mais robusta gerada por seus demais segmentos de negócios, em outras proteínas e mercados". 





Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: http://www.reporternews.com.br/noticia/9566/visualizar/