Publicidade
Repórter News - www.reporternews.com.br
Nacional
Sexta - 22 de Abril de 2005 às 00:21
Por: Roberta Pennafort

    Imprimir


Rio de Janeiro - A polícia do Rio espera ter, até a próxima quarta-feira, o resultado de um exame fundamental para a conclusão do inquérito que investiga a chacina da Baixada Fluminense e o indiciamento de policiais: a comparação do DNA extraído do sangue encontrado no interior de um dos carros usados pelos assassinos com o do material genético de algumas das vítimas da matança.

O chefe de Polícia Civil, Álvaro Lins, determinou que todos os exames ficassem prontos antes da quinta-feira, já que, na sexta, dia 29, o inquérito deverá ser concluído (o prazo pode ser estendido, mas Lins espera fechá-lo no período de um mês). As provas técnicas que surgirem depois serão anexadas posteriormente ao relatório final, segundo o diretor de Polícia Técnico-Científica, Roger Ancillotti. Ancillotti informou que o resultado do confronto de DNA é uma peça-chave das investigações. A comparação será feita entre vestígios encontrados nos tapetes do Gol prata usado pelo soldado Carlos Jorge Carvalho (um dos suspeitos) e amostras de material biológico de pessoas mortas em locais onde houve muitas outras vítimas: um lava-jato em Queimados e um bar em Nova Iguaçu. Isso porque os investigadores acreditam que, nesses lugares, os atiradores andaram entre os corpos, para atirar em quem ainda estivesse vivo. Dessa forma, eles teriam pisado no sangue e, possivelmente, sujado os tapetes ao voltar para o carro.

Os testes de DNA estão sendo realizados num laboratório credenciado pela Defensoria Pública, já que o laboratório da Polícia Civil, inaugurado em fevereiro, ainda não está funcionando plenamente.

Ancillotti destacou que outros exames também foram fundamentais para a conclusão do inquérito no prazo de 30 dias com o indiciamento de PMs, como os de balística, que mostraram que o Gol prata tinha cápsulas de pistola iguais às retiradas em locais dos crimes em Queimados e Nova Iguaçu.

Outro dado importante foi a identificação de impressões digitais de outro PM, o cabo Marcos Costa, num Gol branco que também teria sido utilizado na noite do massacre. Nos próximos dias, os peritos irão jogar luminol no veículo, à procura de manchas de sangue. Ainda são aguardados os resultados de novos testes de balística. Até esta quinta-feira, mais de 650 exames foram realizados.




Fonte: Agência Estado

Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: https://www.reporternews.com.br/noticia/344410/visualizar/