Repórter News - www.reporternews.com.br
Policia MT
Domingo - 02 de Maio de 2021 às 09:46
Por: Diário de Cuiabá

    Imprimir


A Polícia Penal prendeu, na sexta-feira (30), uma servdiora do Sistema Penitenciário de Mato Grosso, acusada de tentar repassar um celular o detento Sandro da Silva Rabelo.

Conhecido como Sandro Louco, detendo é apontado com um dos líderes da facção criminosa Comando Vermelho (CV) em Mato Grosso.

Por meio de denúncias, a inteligência do Sistema Penitenciário recebeu a informação de que uma servidora da unidade estaria repassando celulares aos presos da Penitenciária Central do Estado (PCE).

Ela seria esposa de um suspeito que foi preso em Mato Grosso do Sul com grande quantidade de drogas.

Na sexta-feira (30), a direção da PCE recebeu informações anônimas de que ela estaria com aparelho celular para repassar a um reeducando, cujo nome não foi informado.

Como ela é auxiliar de Odontologia, a direção colocou policiais penais para monitorar a sala do dentista.

“Para nossa surpresa, o reeducando era Sandro da Silva Rabelo, vulgo Sandro Louco. Ele foi chamado para atendimento e foi revistado na entrada e novamente na saída do atendimento dela, quando ele foi flagrado com celular dentro de um tubo de pomada toda revestida em invólucro”, informou o diretor da PCE, Lindomar Henrique da Silva Rocha.

A servidora foi levada para a Central de Flagrantes da Polícia Civil.

FICHA - Sandro Louco tem várias diversas condenações e a soma das penas ultrapassa 200 anos de reclusão

. Antes de ser recambiado para Cuiabá, ele cumpria pena na Penitenciária Federal de Segurança Máxima de Catanduvas (PR), e é apontado como um dos integrantes da organização criminosa Comando Vermelho.

A primeira prisão de Sandro Louco ocorreu em 2000, após assaltar um banco em Várzea Grande.

Ele conseguiu fugir pelo menos quatro vezes e ainda liderou uma rebelião em Água Boa (650 km a Nordeste de Cuiabá).

Dentre os crimes cometidos por Sandro Louco estão latrocínio, roubo a banco, homicídio, sequestro e formação de quadrilha.

Em 2017, ele foi o primeiro réu a participar de um júri popular por videoconferência em Mato Grosso.





Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: https://www.reporternews.com.br/noticia/442647/visualizar/