Publicidade
Repórter News - www.reporternews.com.br
Policia MT
Sábado - 25 de Maio de 2013 às 07:37

    Imprimir


Ilustração
Em menos de cinco meses - de janeiro a maio deste ano - a Promotoria de Justiça de Poconé recebeu 28 casos de crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual. 

As denúncias foram feitas pelo disque 100 e encaminhadas à Promotoria de Justiça. Desse total, seis vítimas estão com medida protetiva. Os dados foram apresentados durante o Encontro Permanente da Juventude que abordou o tema “Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes”. 

O procurador-geral de Justiça, Paulo Roberto Jorge do Prado, foi o palestrante convidado do evento e abordou a necessidade de parcerias entre os gestores públicos do município para desenvolver atividades em prol das crianças e adolescentes. 

“O abuso sexual contra crianças e adolescentes ocorre em tão expressiva quantidade que é considerado um problema de saúde pública, que ocasiona sérios prejuízos para as vítimas, envolvendo aspectos psicológicos, sociais e legais”, destacou o procurador-geral de Justiça. 

O encontro fez alusão à adolescente Caroline Cristiane de Almeida Martins de 15 anos, assassinada às margens da Rodovia Transpantaneira, no Pantanal Mato-grossense, no dia 18 de maio do ano passado. O corpo dela foi encontrado uma semana após o crime. O suspeito, um menor de 16 anos, cumpre a medida sócio educativa no Complexo Pomeri. A estudante foi morta com requinte de crueldade de brutalidade e crueldade. 

Durante o evento, o presidente do Conselho Municipal de Segurança Pública de Poconé, Jassom Borralho, citou um dado que revela a preocupação com as adolescentes da cidade. “Setenta por cento dos partos realizados este ano em Poconé foram de meninas entre 13 e 15 anos”, alertou Jassom Borralho, que usou dados repassados pelo obstetra da cidade. 

A cidade de Poconé tem 232 anos e uma população estimada em 32 mil habitantes, e ainda não possui um lar para atender crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual mantido pelo município. Conforme a promotora de Justiça Daniele Crema da Rocha, o Ministério Público Estadual conseguiu viabilizar parcerias e melhorar a estrutura física do Conselho Tutelar. 

“Precisamos de muito mais, por isso estamos empenhados junto ao Conselho Municipal para garantir esses investimentos. A cidade não tem sequer benefícios do fundo da infância”, destacou a promotora. (Com Assessoria) 





Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: https://www.reporternews.com.br/noticia/19094/visualizar/