Publicidade
Repórter News - www.reporternews.com.br
Politica Brasil
Terça - 17 de Abril de 2007 às 09:23

    Imprimir


A proposta do governador Blairo Maggi (PR) aos petistas pode provocar um racha no PT, apesar de o partido ter formalizado apoio à gestão republicana por meio de uma resolução que liberou a bancada na Assembléia Legislativa para votar favoravelmente ao governo. Conforme o Olhar Direto apurou, o deputado federal Carlos Abicalil recebeu ontem, em reunião no Palácio Paiaguás, a sinalização de que pode disputar a prefeitura de Cuiabá encabeçando uma aliança entre o PT e o PR em 2008. O apoio institucional do PT à administração passaria então pelas eleições municipais, além da nomeação do deputado estadual Ságuas Moraes para o comando da secretaria de Estado de Educação.

Articulador político e atual secretário de Estado de Educação, Luiz Antonio Pagot e Maggi deram mostras de que o deputado Sérgio Ricardo de Almeida (PR) pode não ser o candidato do grupo caso os petistas aceitem formar a aliança. Ainda conforme o Olhar Direto apurou, o acordo desagrada alas do PT consideradas independentes. O grupo resistente argumenta que não há discussão sobre políticas públicas e alega que o acordo contempla apenas a ala liderada por Carlos Abicalil e Alexandre César, primeiro suplente da bancada petista na AL que deve assumir a vaga com a ida de Ságuas Moraes para a secretaria. Segundo os resistentes, trata-se de uma “minoria desgastada” e “seguidora do ex-ministro José Dirceu”.

O diretório estadual do PT, formado por 47 membros, deve se reunir no próximo domingo para definir as condições de apoio ao governo estadual. A proposta oferecida aos petistas assegura também a candidatura do deputado Ademir Brunetto à prefeitura de Alta Floresta com o apoio de Maggi. Na reunião, o nome de Walter Rabello, do PMDB, foi citado e descartado como possível candidato do Paiaguás à prefeitura da Capital.

Cargos federais – Ao menos dois indicados pelo PT para cargos federais em Mato Grosso são rejeitados por Maggi e Pagot. Eles não querem a permanência de Leonel Wohlfahrt e Paulo Mayer na superintendência do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e na coordenação do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), respectivamente. O grupo independente do PT sustenta que Wohlfahrt seria rejeitado pelo fato de questionar, em nome do órgão, a legalização e ocupação de terras públicas por grandes fazendeiros plantadores de soja. O governador Blairo Maggi saiu do PPS por decidir apoiar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva à reeleição.





Fonte: Olhar Direto

Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: https://www.reporternews.com.br/noticia/231982/visualizar/