Publicidade
Repórter News - www.reporternews.com.br
Saúde
Quarta - 14 de Abril de 2004 às 14:52
Por: Simone Wesley

    Imprimir


“O governo do Estado vai intensificar ações de melhoria na política de saúde voltada para o idoso. Os idosos do nosso país devem envelhecer com saúde e qualidade de vida, com um amplo acesso a rede pública de atendimento em saúde”. Esta afirmação foi dada pelo secretario de Estado de Saúde, Marcos Machado, nesta quarta-feira (14.04), no lançamento da Campanha Estadual de Vacinação do Idoso contra a gripe 2004. O evento, uma parceria da Secretaria de Estado de Saúde (SES/MT) e a Secretaria Municipal de Cuiabá, foi realizado no Centro de Convivência dos Idosos, no bairro CPA III, às 09 h.

Segundo dados do Censo 2000, no Brasil o índice de pessoas a partir de 60 anos é de 9.1% do total da população e em Mato Grosso esse percentual é de 5.7%. O aumento da população idosa tornou-se um problema social necessário que medidas por parte do governo e da sociedade civil, uma vez que há um acréscimo na demanda de serviços de assistência social e de saúde.

A meta é imunizar 150 mil idosos com mais de 60 anos contra o vírus influenza, o causador da gripe. A Campanha vai até o dia 30 de abril e as doses estão disponíveis nos 14 Escritórios Regionais de Saúde, em todos os postos, policlínicas e unidades de saúde. Ao todo serão disponibilizadas 152 mil doses da vacina.

No ano 2003, a cobertura vacinal foi de 97% em Mato Grosso. Uma média considerada muito boa, o Ministério da Saúde preconiza a cobertura de 70%.

A Campanha Nacional de Vacinação do Idoso é realizada no Brasil desde 1999, sempre em parcerias com as secretarias estaduais e municipais de saúde. Além de diversas entidades de classe ligada ao idoso.

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) alerta para a necessidade de conscientização a família dos idosos sobre a importância da saúde na inclusão social da população desta faixa etária contra o vírus da gripe que ataca com maior intensidade no período do inverno, que já se aproxima. As estatísticas apontam que nesse período do ano há um aumento no número de internações causadas pelas doenças respiratórias. A vacinação contra a gripe previne e diminui o risco de contrair a doença em até 90% dos casos.

Técnicos da Saúde ressaltam que algumas pessoas podem apresentar alguns sintomas leves, como dor em menor intensidade, pequena vermelhidão no local da aplicação da vacina, febre baixa, mal estar e dor no corpo. Porém, esses sintomas desaparecem dentro de 48 horas. A vacina começa a fazer efeito após duas semanas. E quem ficar gripado após a imunização é porque já estava contaminado pelo vírus. Tanto homens como mulheres acima de 60 anos podem ser vacinados, mesmo os cardíacos, asmáticos, diabéticos, hipertensos, com insuficiência renal ou hepática, portadores sintomáticos do vírus HIV.

O Programa Nacional de Imunizações (PNI), enfatiza as ações públicas preventivas que visem contribuir na melhoria da qualidade de vida dos idosos, através de campanhas anuais de vacinação contra a gripe e as graves complicações dela decorrentes. A vacinação desses indivíduos é considerada pela OMS como a melhor estratégia para a redução da mortalidade pela doença.

IMPACTO DA GRIPE-A gripe é uma infecção respiratória aguda que causou mais mortes neste século do que qualquer das duas guerras mundiais. É uma doença de distribuição universal. Anualmente, cerca de 10% da população mundial é acometida por uma gripe. Isto representa 500 milhões de pessoas/ano.

Estatísticas americanas nos mostram que os custos relacionados a Influenza são

estimados entre 3 e 5 bilhões de dólares ao ano, sendo que 20 a 30% são gastos relacionados diretamente aos cuidados com a saúde, e 70 a 80% gastos indiretos, como absenteísmo e diminuição da produtividade .

Durante as epidemias de Influenza a procura por serviços médicos, setores de emergência e hospitalização aumentam, devido as complicações relacionadas a Influenza; isto é particularmente importante em idosos e pacientes com doenças crônicas. O aumento da mortalidade indica o impacto da epidemia de Influenza. É estimado um acréscimo de 20.000 mortes/ano associados à Influenza, que ocorreram nos Estados Unidos durante dez temporadas consecutivas de Influenza, sendo que em três delas ocorreram mais de 40.000 mortes/ano relacionados a esta epidemia.

Mais de 90% das mortes atribuídas a Influenza e suas complicações ocorreram em pessoas com 65 anos ou mais.

Dados nacionais sugerem que, no país, cerca de 22.000 pessoas morrem anualmente

em decorrência de Influenza, nos períodos epidêmicos A taxa de hospitalização por gripe e pneumonia é de 6,7 por 1000 habitantes, subindo, seguido o Ministério da Saúde, para 12,5 na população idosa.

A GRIPE-A gripe é uma infecção febril do trato respiratório caracterizada por estabelecimento repentino de febre, indisposição dores de cabeça, mialgia e tosse. É geralmente uma afecção benigna, mas em idosos passa a ter grande valor epidemiológico pelas graves conseqüências que provoca, com aumento substancial do morbi-mortalidade.

O vírus da gripe espalha-se de maneira rápida e eficiente pela inalação de aerossol entre indivíduos. O período de incubação é curto (01 a 03 dias). A disseminação virótica alcança um pico no 3º dia após a infecção e declina a níveis não detectáveis em torno do 6º dia. O pico da disseminação virótica pode acontecer antes do aparecimento dos sintomas, embora exista um vínculo claro entre a quantidade de vírus irradiados e a velocidade do aparecimento dos sintomas.

A VACINA- Essa vigilância epidemiológica da gripe é uma atividade mundial. Idéia surgida em 1947, hoje mobiliza uma rede de 120 laboratórios em 82 países, coordenados por quatro centros de referências vinculados a OMS. Esses dados compilados servem para fornecer um panorama global da epidemiologia da gripe na temporada corrente, e orientar a composição mais adequada da vacina para a temporada seguinte.

A recomendação da OMS para a composição da vacina que era feita anualmente; a partir de 1998 passou a acontecer duas vezes por ano devido à diferença do pico de circulação viral e conseqüente incidência da doença nos dois hemisférios. Portanto, a partir desta determinação as vacinas para o hemisfério Sul passam a ter uma maior especificidade e proximidade com a circulação




Fonte: Redação/Secom - MT

Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: https://www.reporternews.com.br/noticia/386104/visualizar/