Publicidade
Repórter News - www.reporternews.com.br
Saúde
Segunda - 05 de Abril de 2004 às 09:35
Por: Simone Wesley

    Imprimir


A Secretária de Estado de Saúde (Ses/MT) promove na manhã desta segunda-feira (05.04), através da Central Estadual de Transplantes, um encontro entre a família da doadora Márcia Tânia Leal e os receptores dos seus órgãos. Os três receptores receberam um rim e as duas córneas.

De acordo com a Coordenadora da Central Estadual de Transplantes, Vera Lúcia Silva Sena, esse encontro tem por objetivo apresentar a população os benefícios que o transplante pode proporcionar para as pessoas. "A sensibilização sobre a importância deste ato sublime, que é a doação de órgãos, é o primeiro passo que todos se sintam comprometidos com a causa", explica a coordenadora.

Atualmente, existem mais de 600 pacientes que esperam por um rim e mais de 200 de córneas. A Ses/MT quer aumentar o número de doadores dos órgãos em todo o estado. Mato Grosso realizou o primeiro transplante de rim em 1999. Desde então, já foram efetuados mais de 124 transplantes de rim e mais de 116 de córneas.

Segundo a coordenadora, o medo quanto à doação de órgãos está reduzindo consideravelmente. Tanto que no dia 20 de fevereiro, a Central de Transplantes realizou pela primeira vez na história da Saúde Pública do Estado a captação de múltiplos órgãos para doação. O doador foi José Maria Martins Campos, de 32 anos. Foram retirados as córneas, os rins, o pâncreas, as valvas cardíacas (quatro) e os ossos. Além da equipe médica de Mato Grosso, duas equipes, dos estados do Paraná e Minas Gerais participaram da captação dos órgãos, já que as equipes locais têm autorização somente para captar córneas e rins. Essa autorização é dada pela Central Nacional de Transplantes. "Todos têm várias dúvidas, se pode haver o favorecimento de alguém ou a venda de órgãos. Queremos esclarecer sobre a seriedade do trabalho realizado pela Central. Principalmente esclarecer que há uma lista única de transplantes, onde todo transplante que é feito tem que ter a autorização e a regulação da Central Nacional", destaca a coordenadora.

Vera Lúcia garante que o que mais afasta as pessoas quanto à doação é a desinformação. A Central de Transplantes é composta por médicos, assistentes sociais, psicólogos e enfermeiros. Os hospitais acionam a equipe de plantão quando detectam um caso de morte encefálica. Antes de acionar a equipe da Central, no entanto, os médicos do hospital realizam testes de segurança para constatar a morte encefálica do paciente.

Importante ressaltar que os exames são realizados por equipes diferentes, com a presença de neurologistas. A equipe da Central de Transplantes só é acionada pelos médicos do hospital após a certeza da morte encefálica.

Após a confirmação de morte encefálica, a equipe da Central de Transplantes aborda a família do possível doador, para averiguar se esta concorda em assinar a autorização para o transplante. A família do doador recebe, do Estado de Mato Grosso, um auxílio funeral, instituído pela lei 7.423 de 22 de maio de 2001.

Após o transplante, todos os pacientes recebem, pelo SUS, os medicamentos de alto custo contra rejeição e demais medicamentos que se fizerem necessário. Eles também recebem assistência médica especializada no ambulatório da Central Estadual de Transplantes.

LEGISLAÇÃO - Uma média de 60% dos órgãos de pacientes com morte encefálica deixam de ser aproveitados em Mato Grosso, por causa da negativa das suas famílias. Mesmo quando o possível doador deixa um documento autorizando o transplante no caso de sofrer morte encefálica, apenas a família pode dizer se a Central de Transplantes pode aproveitar os órgãos para salvar outra vida.

Mesmo depois de saber todos esses procedimentos, algumas famílias mantém sua decisão de não doar os órgãos. A religiosidade, conforme a coordenadora, não pode ser usada como argumento para a negativa. "Quase todas as religiões autorizam o aproveitamento de órgãos, mesmo porque é um ato de amor", destacou.

Para ser um doador de órgão não é necessário deixar um documento autorizando o procedimento, basta comunicar a família sobre o desejo de doação, que será responsável pela autorização. Existem dois tipos de doadores: o doador vivo, que pode doar um dos rins, parte do fígado e parte da medula óssea; e o doador cadáver - pacientes com morte encefálica que podem doar vários órgãos ou tecidos: coração, pulmão, fígado, pâncreas, intestino, rim, córnea, veia, ossos e tendão.




Fonte: Assessoria/Ses - MT

Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: https://www.reporternews.com.br/noticia/387043/visualizar/