Repórter News - www.reporternews.com.br
Saúde
Sexta - 05 de Setembro de 2014 às 12:27

    Imprimir


O surto de ebola na África Ocidental já causou a morte de 134 trabalhadores da saúde, principalmente médicos e enfermeiros, de um total de 256 infectados pelo vírus, informou nesta sexta-feira o porta-voz da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tariq Jasarevic.

O porta-voz ressaltou a urgente necessidade que existe nos países afetados de reforçar seu infortunado pessoal da saúde.

"O que realmente é necessário são agentes de saúde porque sem eles realmente não faz sentido ter centros de tratamentos, que são necessários sobretudo na Libéria, onde o povo simplesmente não tem para onde ir", explicou.

A OMS desdobrou 202 especialistas nesse grupo de países: 70 em Serra Leoa, 59 em Guiné, 58 na Libéria, 14 na Nigéria e um no Senegal.

Jasarevic reconheceu que a doença segue evoluindo a um ritmo no qual é difícil colocá-la sob controle.

"Não conhecemos exatamente onde estão todos os doentes ou as cadeias de transmissão (do vírus), mas é preciso atuar rápido", comentou.

"Podemos dizer que por enquanto estamos por trás da doença, mas é preciso estar diante dela o mais rápido possível", sustentou o porta-voz.

A OMS calcula que são necessários cerca 12 mil agentes de saúde nos países afetados, além disso de cerca de 750 especialistas internacionais em febres hemorrágicas, o grupo de doenças ao qual pertence o ebola.

Segundo as últimas estatísticas da OMS, o surto atual provocou 3.685 casos, entre os quais 1.841 resultaram em morte.

publicidade

A maior taxa de mortalidade é registrada na Guiné, onde alcança 64%, enquanto na Libéria fica em 51% e em 39% em Serra Leoa.





Fonte: EFE

Comentários

Deixe seu Comentário

URL Fonte: https://www.reporternews.com.br/noticia/400838/visualizar/